Telefone 24h » Lisboa 219 824 731 Porto 227 838 164

Fases do programa

O programa realiza-se em três fases. Uma vez superada a primeira fase o interno começa a assumir responsabilidade em relação ao trabalho. Está sempre supervisado por um monitor, mas é muito importante que o interno tome consciência da sua nova situação á margem das drogas e inicia a aprendizagem das tomadas de decisão de uma forma progressiva

Fase 1

Esta etapa dura uns quinze dias e é a mais difícil e delicada, nos quais se tenta motivar o interno na luta para conseguir seus objectivos, e combate-se com longos passeios, contacto com a natureza, fito terapia, (Chás, Infusões, etc), massagens. Tudo de uma maneira natural. Durante esta fase tenta-se evitar todo o contacto com o meio anterior ao seu ingresso no centro. Excepto em circunstâncias especiais não pode ser visitado nem estabelecer contacto telefónico até que passem quinze dias. No entanto, enquanto dura este período facilita-se aos familiares toda o informação solicitada sobre a sua evolução, através dos responsáveis ou monitores.

Fase 2

Inicia-se passado os primeiros quinze dias. Esta fase consiste na aprendizagem de estratégias para desenvolver de uma forma natural na sociedade. Actividade a desenvolver nesta fase: - Seguimento da evolução individual do utente - Grupos de diálogo - Oficinas ocupacionais: Bate-chapas e pintura de automóveis, mecânica carpintaria, construção, restauro de móveis, estofaria… -Planeamento de tempo livre e ócio: desporto, música, teatro, saídas culturais e de lazer (praia, futebol, etc..)

Fase 3

A reinserção laboral e social é considerada como a última fase do programa. Nesta fase ou utente prepara-se enquanto continua no centro, através das Oficinas Ocupacionais. Por um lado o indivíduo enfrenta-se a umas relações como o sistema social muito deterioradas ( processos judiciais, incidentes graves em emprego anteriores, etc.) e por outro as dificuldades gerais de acesso ao mercado laboral. O trabalho nas Oficinas Ocupacionais tem uma tripla utilidade:

Mantêm o interno ocupado o seu tempo de maneira produtiva e produz um trabalho que é o resultado palpável do seu esforço tudo reverte para a melhoria da auto-valorização da pessoa e para a “ideia” de que é capaz.

A pessoa aprendendo um oficio, prepara se para a sua posterior reinserção social.

O resultado destes trabalhos serve para a manutenção e melhoria prestada aos utentes da Associação.

Algumas das actividades desenvolvidas nas oficinas ocupacionais: electricidade, carpintaria, mecânica bate-chapas e pintura de automóveis restauro de moveis reparação de electrodomésticos, canalização, pintura construção civil, etc.


© Associação Reto à Esperança - Todos os direitos reservados
powered by Codezone